Terça-feira, 30 de Novembro de 2021
Telefone: (54) 3383 3400
Whatsapp: (54) 9 9999-7374
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo limpo
26°
15°
20°C
Espumoso/RS
Tempo limpo
No ar: Café da Líder
Ao Vivo: Café da Líder
Bom Dia Líder

Autolicenciamento ambiental passa a valer no RS e ainda causa muita polêmica

Autolicenciamento ambiental passa a valer no RS e ainda causa muita polêmica
22.11.2021 06h54  /  Postado por: Roger Nicolini

O Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) aprovou nesta quinta-feira (11) a regulamentação do autolicenciamento ambiental — tecnicamente chamado de licença ambiental por compromisso (LAC). O modelo de licenciamento já é lei no Rio Grande do Sul desde o início de 2020. No entanto, para ter validade era necessária a aprovação da regulamentação.

Com isso, 49 atividades produtivas, das quais 31 são de médio e alto potencial poluidor, poderão ser autolicenciadas independentemente do tamanho da operação. Dentro destas atividades produtivas estão as usinas de concreto e de asfalto, as centrais de beneficiamento de dejetos de animais, criação de bovinos semiconfinados, além da silvicultura com pínus e eucalipto.  A diretora-presidente da Fepam,  Marjorie Kauffmann, comenta.

Com a aprovação, as empresas estão autorizadas  a enviar os documentos exigidos e precisam se comprometer a respeitar as regras — com isso, a permissão é automaticamente emitida pela internet. Anteriormente, estes empreendimentos precisavam da análise e da aprovação de técnicos da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) para ser expedida.

A licença ambiental por compromisso é bastante criticada por entidades e ONGs ligadas ao meio ambiente. Em Brasília, uma ação tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a lei que permite o modelo de licenciamento gaúcho.  A  presidente da Fepam comenta quais os principais empreendimentos podem se enquadrar neste licenciamento por compromisso.

A presidente da Fepam encerra comentando que não é um cadastro, não é isenção, é um licenciamento. Ela diz que a Fundação quer concentrar energia nos pedidos de licenciamento ambiental nos empreendimentos que sejam realmente complexos..

FONTE: GAÚCHA ZH

FOTO: AGORA NO VALE

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.