Domingo, 24 de Janeiro de 2021
Telefone: (54) 3383 3400
Whatsapp: (54) 9 9999-7374
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempestades
26°
19°
26°C
Espumoso/RS
Tempestades
No ar: Domingo Show
Ao Vivo: Domingo Show
Bom Dia Líder

Entidades indicam ações para amenizar efeitos da estiagem no Rio Grande do Sul

Entidades indicam ações para amenizar efeitos da estiagem no Rio Grande do Sul
23.11.2020 06h41  /  Postado por: Roger Nicolini

A Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), juntamente com a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag/RS), Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e Emater/RS, assinaram documento conjunto pedindo medidas para minimizar os impactos da estiagem no Estado. A carta das entidades foi encaminhada aos governos Federal e Estadual.

Segundo o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, o cooperativismo agropecuário do Rio Grande do Sul está muito preocupado com esta questão da estiagem que assola o Rio Grande do Sul desde a safra 2019/2020 onde se perdeu 31% da produção de milho e 47% da safra de soja. “E agora, em 2020, tivemos a questão do trigo, perdido em um primeiro momento por geada e depois por causa da falta de chuva. Calculamos que, com os dois fatores climáticos, ultrapasse os 30% de quebra”, destaca.

Entre as propostas apresentadas está a verificação do Proagro. O presidente da FecoAgro/RS salienta que estas vistorias devem ser feitas com a maior agilidade possível, e que este produtor que tenha mais de 60% de prejuízo consolidado possa implantar uma outra cultura quando chover, ou outro plantio de milho, já que ainda dá tempo, ou uma cultura de soja ou feijão, pois o produtor não pode ficar sem renda. Para os produtores de proteína animal também foi proposta a disponibilidade de compra de milho balcão para a composição da ração.

 

Uma questão importante, de acordo com Pires, é o incentivo à irrigação para trazer segurança ao produtor.   Entre as questões citadas pelo dirigente estão a agilidade das licenças ambientais e a isenção de tributos, já que os equipamentos pagam 7% de ICMS. “Se houvesse um incentivo fiscal nesse sentido, uma área irrigada verticaliza sua produção, além de diminuir o risco ela traz um potencial produtivo muito maior e vai gerar imposto para o Estado. Todos os lugares onde houve o crescimento da irrigação, o desenvolvimento destas comunidades foram muito maior.

O presidente da Fecoagro avalia a safra de trigo.

FONTE E FOTO: ASCOM FECOAGRO

 

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.