Segunda-feira, 28 de Setembro de 2020
Telefone: (54) 3383 3400
Whatsapp: (54) 9 9999-7374
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
Tempo nublado
18°
11°
14°C
Espumoso/RS
Tempo nublado
No ar: Café da Líder
Ao Vivo: Café da Líder
Bom Dia Líder

RGE explica contas de luz mais altas por não ter feito leituras presenciais  

RGE explica contas de luz mais altas por não ter feito leituras presenciais  
25.06.2020 07h32  /  Postado por: Roger Nicolini

Reclamações de clientes de várias partes do Estado aos órgãos de defesa do consumidor  questionam o alto valor das contas de luz da Rio Grande Energia – RGE. A concessionária de energia, seguindo resolução editada em março pela ANEEL autorizava o faturamento do consumo dos últimos 12 meses para embasar a conta, ao invés de realizar a leitura presencial.

Como alternativa para evitar faturamentos por estimativa, também foi permitido aos clientes a possibilidade da autoleitura (o próprio cliente informava leitura por meio dos canais de atendimento da distribuidora). Ambas as opções foram divulgadas pela empresa nos canais de comunicação próprio.

O gerente de relacionamento com o público da RGE, Fábio Calvo em entrevista à nossa reportagem comenta que nunca foi intenção da empresa em proceder esta forma, uma vez que seguiu determinações da ANEEL e entre 6 e 14 de abril ficou impossibilitada de fazer a leitura por decisão liminar da Justiça do Trabalho.

A RGE ressalta que o processo de leitura e entrega das contas já está normalizado e que as faturas emitidas em maio para os clientes estão considerando a leitura real, feita em campo, compensando assim eventuais diferenças no valor da fatura, sejam a maior ou a menor”. Não é necessária nenhuma ação dos clientes, a compensação acontece de forma automática pela RGE. O gerente falou do esforço da empresa em  mesmo em momento de pandemia seguir com a leitura presencial das contas.

Por fim, o representante da RGE comenta acerca do reajuste das contas de luz superiores a 5% que entram em vigor no próximo dia 1º de julho de 5,22% para consumidores residenciais, 6,24% para consumidores industriais.. Ele justifica a elevação do preço, mesmo em tempos de pandemia, pela determinação da ANEEL e devido aos preços internacionais

 

FONTE: JORNAL A HORA

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.