Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018
Telefone: (54) 3383 3600
Whatsapp: (54) 9 9999-7374
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
31°
15°
15°C
Espumoso/RS
Noite clara
No ar: Bom Dia Líder
Ao Vivo: Bom Dia Líder
Bom Dia Líder

Caminhoneiros decidem nesta segunda se aderem à greve no RS

20.05.2018 22h53  /  Postado por: Roger Nicolini

Motoristas e proprietários de caminhões de todo o Brasil prometem paralisar os serviços a partir desta segunda-feira. No Rio Grande do Sul, porém, a decisão ainda não está tomada e será tirada em reunião dos 12 sindicatos integrantes da Federação dos Caminhoneiros Autônomos (Fecam-RS), feita por videoconferência a partir das 11 horas. A última grande paralisação no Estado aconteceu em 2015.

O presidente da Fecam-RS, André Luis Costa, confirma que muita gente considera a paralisação inevitável. Pessoalmente, ele acha difícil que qualquer mobilização leve a zero a redução da carga tributária incidente sobre operações com óleo diesel, a principal reivindicação dos caminhoneiros. Ele sugere negociação, mas quem dará a palavra será a categoria, representada por sindicatos.

Costa assegura que a Fecam não apoia e nem apoiará bloqueio de  rodovias e depredações, já registrados em outras greves da categoria no passado. Uma das alternativas que será debatida na reunião é que os caminhoneiros apenas cruzem os braços, ficando em casa, sem rodar pelas estradas. Uma paralisação no transporte poderia afetar, entre outros setores, a indústria de soja, cuja colheita no Brasil terminou recentemente. Isso em um momento em que o mercado internacional conta com o produto do país, o maior exportador global.

Os caminhoneiros pedem, entre outras providências, a redução das alíquotas da contribuição para PIS/PASEP e Cofins sobre as operações com óleo diesel, principal combustível dos caminhões. Em nota, a Fecam alinhou os principais motivos para descontentamento:

– Altas sucessivas no óleo diesel, produto que representa 42%  do custo do frete para o caminhoneiro.

– Falta de infra-estrutura no país, com estradas deterioradas e sem segurança ao transporte.

– Dificuldade de receber da empresa contratante o vale-pedágio destacado do valor do frete.

– Falta de financiamento possível de ser pago pelo caminhoneiro, nas atuais condições do mercado.

Enquanto a Fecam ainda discute possível paralisação, a greve já foi anunciada pela  Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam). A entidade reúne cerca de 600 mil caminhoneiros autônomos, de um total de cerca de 1 milhão de motoristas no Brasil. A única incerteza é quantos desses vão aderir ao movimento.

Os caminhoneiros autônomos são os mais atingidos pelos aumentos em cascata no preço dos combustíveis. A Polícia Rodoviária Federal (PRF-RS) informa que monitora possíveis manifestações e que vai reprimir eventuais bloqueios.

Fonte: Gaúcha/ZH

Em novembro de 2015 caminhoneiros paralisaram no Rio Grande do Sul e realizaram dezenas de bloqueios, como esse em Pelotas. Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.