Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
Telefone: (54) 3383 3600
Whatsapp: (54) 9 9999-7374
Curta nossa página no Facebook:
Clique para Ouvir
30°
20°
20°C
Espumoso/RS
Noite nublada
No ar: Bom Dia Líder
Ao Vivo: Bom Dia Líder
Região

Advogado é investigado em Passo Fundo por suspeita de desviar R$ 1,6 milhão de clientes

21.02.2014 10h17  /  Postado por: upside

Na manhã desta sexta-feira, 21, a Polícia Federal está à procura de um advogado e proprietário de um dos maiores escritórios de advocacia de Passo Fundo. Mauricio Dal Agnol é suspeito de articular uma quadrilha que se apropriou de R$ 1,6 milhão de indenizações que clientes deveriam receber após vencerem ações judiciais. Os agentes cumprem oito mandados de busca em escritórios e em uma casa. Com a ajuda da mulher, Márcia Fátima da Silva Dal Agnol, do advogado Pablo Geovani Cervi, e de mais duas pessoas, Vilson Belle e Celi Acemira Lemos, o advogado teria enganado pelo menos 27 pessoas. Conforme a denúncia do Ministério Público, eles se apropriavam da totalidade ou de parte dos créditos dos clientes sem que eles soubessem, tendo entre as vítimas pessoas idosas e doentes. A investigação do caso começou depois que alguns clientes descobriram o esquema e ingressaram na Justiça com ações de prestação de contas, indenização e ressarcimento contra o advogado. Todos haviam procurado Dal Agnol ou seu escritório para tratar de ações contra a Brasil Telecom, antiga Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT), uma das principais áreas de atuação do profissional. No final da década de 90, Dal Agnol passou a captar clientes de todo o Estado visando propor ações judiciais contra a empresa e ganhou fama em Passo Fundo. Com a vitória das ações, segundo a denúncia, o advogado teria se apropriado de algumas indenizações, não informando aos clientes o real valor que deveriam receber da empresa. Nesta investigação, foram relatados 27 casos de apropriação indébita, sendo seis deles com vítimas idosas ou doentes, que somam R$ 1,6 milhão. Pela quantidade de ações judiciais que ainda tramitam contra o advogado, a polícia acredita que o número de vítimas do esquema seja ainda maior.

Comente essa notícia
Receba nosso informativo
diretamente em seu e-mail.